//
Acepi
//
//
Notícias
Passagem de negócios “físicos” para online levou a aumento acentuado de registo de domínios
Passagem de negócios “físicos” para online levou a aumento acentuado de registo de domínios
5 de Junho de 2020
No início do ano o registo de domínios .pt cresceu acentuadamente. A relação com a COVID-19 é inegável, assim como a ideia de que a pandemia se transformou num acelerador tecnológico. Acima de tudo, o digital é uma tendência que o .PT acredita ter vindo para ficar.

O .pt tem vindo a crescer nos últimos anos, sendo um dos ccTLDs que mais se destaca na Europa. Em 2019 atingiu um novo record com 121.359 domínios registados e os dados da associação .PT para os primeiros meses do ano mostram um ritmo acentuadamente ascendente. Em abril, o crescimento terá rondado os 65%, comparativamente com o mesmo período do ano anterior, com os números atuais a contabilizarem mais de 1.300.000 registos em .pt.

A tendência de crescimento no resto da Europa é idêntica. Num artigo partilhado online, o CENTR indica que, numa amostra de 25 ccTLDs, o número de novos domínios registados em abril deste ano aumentou 20%, em comparação com o mesmo período do ano anterior. “O facto de muitos negócios, que antes se limitavam à presença física, estarem a transitar para o online tem feito com que o registo de domínios aumente consideravelmente”, refere Luísa Ribeiro Lopes, presidente do .PT.

Embora não existam dados agregados, é possível notar uma tendência para o registo de domínios do pequeno comércio “não tão habituado a ter uma presença online, como é o caso do comércio de proximidade, restauração, ginásios, spas, saúde, alimentar, etc”.

A situação de emergência e confinamento acabou por se revelar um acelerador tecnológico, numa mudança que Luísa Ribeiro Lopes considera ter vindo para ficar. “Acreditamos que a tendência verificada durante este período vai manter-se, uma vez que a presença digital traz vantagens que os empresários, pequenos comerciantes e empresas não vão querer perder. Mesmo quando a presença dos clientes for efetiva, os canais digitais vieram para ficar”.

Prioridades transformadas em urgências

O aumento das competências digitais dos cidadãos e empresas já era uma prioridade e agora tornou-se uma urgência. “A exclusão digital pode fazer com que tenhamos um país a duas velocidades, o que ninguém quer. Ninguém pode ficar para trás”, defende a responsável. Luísa Ribeiro Lopes considera por isso que programas de desenvolvimento de competências digitais como o que o .PT, juntamente com outras entidades como o INCoDe2030, o MUDA, a ACEPI, a DECO, a FCT, o CDI Portugal, tem vindo a desenvolver têm de se aprofundar “para que todos possamos aceder ao digital”.

O .PT também tem vindo a comunicar com aqueles que ainda não têm uma presença online, através de uma campanha no digital. “Sob o mote ‘Abra a porta da sua loja ao mundo em .pt’, a ideia é mostrar-lhes a importância de ter um site/loja online para que continuem a comunicar com os seus clientes e a desenvolver os seus negócios”.

Luísa Ribeiro Lopes destaca ainda o lançamento da campanha no âmbito do Selo CONFIO, uma iniciativa que envolve, também, a ACEPI e a DECO e é um programa de acreditação cujo objetivo é a certificação de sites para garantir que cumprem as melhores práticas do mercado digital. “É uma garantia para os consumidores na aquisição de produtos e serviços através de comércio eletrónico e na utilização da internet em geral”.

Até 30 de setembro o Selo apresenta novas condições, a saber: isenção do pagamento da taxa de submissão da candidatura, isenção do pagamento da concessão anual do selo até 31 de dezembro de 2020 e simplificação do processo de atribuição do selo.

Por outro lado, o.PT tem também vindo a apoiar diversas iniciativas que, de alguma forma, auxiliam neste período de contingência, e que estão explicadas em https://www.dns.pt/pt/atualidades/covid-19-iniciativas-apoiadas-pelo-pt.

"A Transição Digital era já uma prioridade mesmo antes da situação de pandemia que vivemos atualmente”, sublinha Luísa Ribeiro Lopes, que acredita que o Plano de Ação para a Transição Digital, recentemente aprovado e publicado pelo Governo Português, com ações em que o .PT está também envolvido, vai ditar necessariamente: melhores serviços públicos digitais, empresas mais digitais e mais preparadas tecnologicamente independentemente da área de atuação. Além disso, “e muito importante”, vai contribuir para “cidadãos mais preparados, com mais e melhores competências digitais, sensibilizados para a confiança, segurança, proteção de dados, cidadãos incluídos e mais exigentes como uma sociedade desenvolvida deve ser capaz de gerar”.