//
Acepi
//
eMobile
//
Notícias
Adesão de empresas a pagamentos por referência Multibanco dispara
Adesão de empresas a pagamentos por referência Multibanco dispara
26 de Março de 2020
A adesão das empresas aos pagamentos por referência multibanco cresceu de forma exponencial nos últimos dias, face ao aumento da procura do comércio online por quem escolhe ficar o máximo possível em casa durante o surto de COVID-19.

Os dados são da IFTHENPAY  que diz estar a garantir a ativação gratuita das referências multibanco, no próprio dia ou no dia útil seguinte, numa altura em que as empresas portuguesas estão a reinventar-se para fazerem chegar os seus produtos e serviços aos clientes, minimizando os contatos diretos e garantindo os pagamentos à distância e em real-time.

Restaurantes, padarias, farmácias, que agora não podem ter clientes nas suas salas e estão a trabalhar com serviços de take-away ou entregas ao domicílio, e com pagamentos não presenciais, são alguns exemplos.

De acordo com a fintech portuguesa, a última semana foi de grande movimentação, registando-se uma subida da média normal de oito adesões ao dia para as 24.

"As referências multibanco, enquanto meio de pagamento eletrónico seguro, fácil e simples, que já antes eram o preferido por mais de 80% dos portugueses, agora apoiadas no homebanking podem fazer toda a diferença facilitando o quotidiano de milhares de pessoas e empresas que neste momento estão a trabalhar e a viver confinadas em casa”, afirma Filipe Moura, Co-CEO e Co-Founder da IFTHENPAY.

Por estar numa zona confinante com um dos epicentros em Portugal do Covid-19 (Ovar), a IFTHENPAY está neste momento em regime de teletrabalho, mas com a sua estrutura organizada para continuar a garantir o nível habitual de serviço de onboarding, ou seja, ativação gratuita da utilização das referências multibanco aos comerciantes.

“Apesar da situação difícil em que a sociedade portuguesa se encontra com esta pandemia, os empresários portugueses já compreenderam a necessidade e a urgência da mudança, para garantir que Portugal não fica paralisado”, considera Nuno Breda, Co-CEO e Co-Founder da IFTHENPAY. “O impacto para a maior parte das empresas será grande, mas com a resiliência e a criatividade dos nossos empresários, com inovação e automação, podemos minimizar esses efeitos e ficarmos mais bem preparados para o período pós-crise”, defende.