//
Acepi
//
//
Notícias
eInforma: Informação sobre risco a um clique de distância
eInforma: Informação sobre risco a um clique de distância
8 de Novembro de 2012
Ter uma estratégia assente em informação completa e actualizada sobre os parceiros de negócio não é apenas para as grandes empresas e para as entidades bancárias. A eInforma foi criada com o objectivo de massificar o uso desta ferramenta de gestão de risco comercial entre PMEs e empreendedores.

Lançada pela Informa D&B como marca, em Junho de 2009, esta base de dados contém informação sobre todas as empresas em Portugal, além de mais de 200 milhões de registos sobre empresas de outros 200 países, sendo actualizada diariamente por uma equipa de mais de 50 técnicos.

“Através do Serviço de Gestão de Risco da eInforma, as empresas podem decidir as suas operações comerciais com base em informações completas e actualizadas, gerindo de forma distinta as empresas com um bom rating e com bons indicadores financeiros, das que não pagam as suas facturas, têm acções judiciais ou apresentam uma elevada probabilidade de fechar com dívidas por liquidar”, refere José Magriço, director da plataforma.

O modelo foi desenvolvido com base nas mais modernas técnicas estatísticas, explica o responsável, e avalia a interacção de diversas variáveis financeiras, demográficas, de pagamento e de incidentes. A qualidade do modelo é determinante para o rigor da avaliação de risco de crédito, garante.

“O modelo apresenta uma elevada capacidade de previsão, apresentando uma performance, medida pelo principal indicador Gini, de 79,9%, que o classifica como Muito Bom' pelos standards da indústria”.

José Magriço garante que a grande mais valia da eInforma, face a outras ferramentas do género, é a integração de muitas fontes de informação, a profundidade dessa informação e o histórico. “Só se consegue construir um bom modelo de rating quando existe um histórico de todas as variáveis na mesma base de dados, que permita descobrir as correlações mais fortes”.

Para o responsável é impressionante, por exemplo, verificar que há empresas que, por operarem num determinado sector ou numa determinada geografia, têm muito menos probabilidades de vingar. “Se este conhecimento fosse melhor aproveitado haveria menos insucessos, melhores empresas e um mercado concorrencial mais justo e perfeito”.

O site da eInforma tem, em média, 30.000 visitas por dia, a maior parte delas feitas por utilizadores que querem confirmar o número de telefone, nome ou morada de uma empresa para que a factura seja correctamente emitida. “São dados que disponibilizamos gratuitamente e que nos ajudam a criar relações”.

A adesão à plataforma tem corrido “muito bem”, tendo em conta que é um serviço puramente B2B num mercado actualmente em recessão, lembra o responsável. O site ganhou uma nova versão muito recentemente, que conta com o Selo de Confiança da ACEPI. “Sendo o nosso serviço prestado exclusivamente através da Internet, é uma vantagem competitiva cumprirmos as melhores práticas e sermos certificados pelas entidades mais exigentes”.

A plataforma tem evoluído com base nas preferências dos utilizadores, oferecendo novos produtos e serviços que têm tido uma excelente aceitação por parte dos clientes, assegura dando. O Semáforo de Risco Comercial, disponível no Relatório Estrutural, um dos serviços de menor custo, é um exemplo. Através de um código de cores, esta funcionalidade informa sobre o escalão de risco de uma empresa (Elevado, Médio-Alto, Médio-Baixo, Baixo ou Não Determinado). “O relatório demora em média sete segundos a ficar disponível; é uma forma quase instantânea de uma empresa decidir se pode avançar com uma operação ou se deve aprofundar a informação consultada”.

Para José Magriço a grande barreira em Portugal à adopção deste tipo de serviços é a falta de uma cultura de decisão baseada em informação. “O que reparamos é que são as empresas mais recentes ou mais dinâmicas que mais facilmente aderem aos nossos serviços. Imagine-se que uma empresa está prestes a fechar um negócio que representa 10% da sua facturação mensal. Arriscaria essa empresa fechar a venda sem verificar o historial, a performance financeira e o rating do cliente? Não estará a colocar em risco o seu próprio negócio?”.

O preço para aceder a estes serviços já não é impeditivo hoje em dia. “A eInforma disponibiliza planos de 11€ por mês em que cada relatório fica por menos de 2€. Estamos a falar de custos mensais abaixo de uma assinatura de um serviço de televisão”.

Para o futuro, José agriço acredita que os serviços de informação empresarial irão adaptar-se às novas tendências, para permitir uma personalização dos serviços cada vez maior, sendo expectável que surjam novos sites, mais dinâmicos e apelativos.

Relativamente à Informa D&B o objectivo é conseguir “mudar um pouco a cultura de utilização da informação em Portugal e, dessa forma, contribuir para um mercado mais eficiente, transparente e saudável.”